Nesta segunda (5), uma família foi encontrada morta na Brasilândia, bairro da zona Norte de São Paulo, em que o protagonista desta história macabra agora está sendo o filho de 12 anos que também se matou.

O caso além de ser hediondo ainda é confuso e cheio de brechas a serem analisadas, no entanto algo chamou a atenção da mídia: o menino tinha em seu perfil do Facebook a imagem do personagem principal do jogo Assassin´s Creed. Ou seja, com uma linha tendenciosa de raciocínio, a imprensa, como a Folha de S. Paulo, está chamando atenção para esse fato.

Isso é fácil de entender, uma vez que em Assassin´s Creed o protagonista é um assassino que deve eliminar os membros da Ordem dos Templários impiedosamente, cumprindo, assim, seu principal objetivo.

Pra variar, um jogo pode ser o grande rival da sociedade (mais uma vez) a depender de alguns jornais especulativos, que precisam propagar algo sem nem ao menos ter certeza se o caso realmente será fechado como está. Obviamente, daqui há alguns dias, veremos muito sobre esse assunto até que o crime seja solucionado, porém vale sustentar a informação de que tudo não passa de especulação, uma vez que ninguém tem certeza de que foi mesmo o garoto que executou sua família.

Pior disso tudo é a insinuação de que a culpa é do jogo, tendo dois pais policiais e com atestados médicos psicológicos que vão contra sua reputação, conforme afirma laudo pericial.

Homicídio na Brasilândia

Andréia Regina Bovo Pesseghini, de 36 anos, o sargento da Rota Luís Marcelo Pesseghini, a mãe da policial militar, Benedita de Oliveira Bovo, de 67 anos, a tia da policial, Bernadete Oliveira da Silva, de 55 anos, e o filho do casal, de 13 anos, foram encontrados mortos em duas casas da família que ficam no mesmo terreno, na Brasilândia.

Segundo informações 5 disparos foram ouvidos dentro da casa, mas em contrapartida, ao que se imagina de uma execução causada por alguém de fora, não existem marcas de arrombamento ou qualquer outra coisa que sugira depredação ou roubo, ou qualquer outra coisa do tipo, ou seja, muito possivelmente as mortes foram ocasionadas por alguém de dentro do imóvel ou que o conhecia extremamente bem.

No entanto, o que faz com que as acusações recaiam sobre o garoto é que o pai de um colega de Marcelo deu carona para o menino ir para casa, depois da aula. O estranho é que o garoto pediu que não chamassem os pais, pois os mesmos estariam dormindo e não ouviriam. Considerando os estudos das mortes, o casal, a tia e a avó já estavam mortos quando o garoto voltou da rua. Em seguida, o menino teria se suicidado, com um tiro na têmpora esquerda.

Nada é conclusivo.